Tarrafal: 70 anos depois, o PCP

Não sei como, mas ainda consegui estar ontem, ao fim da tarde, no Centro de Trabalho do Partido Comunista Português, onde as edições «Avante!» lançaram um livro comemorativo dos 70 anos da abertura do Campo Prisional do Tarrafal, para cuja apresentação fui convidado. Sala repleta, a maioria seguramente de militantes do PCP. Escutei com atenção os discursos, sobretudo o de Jerónimo de Sousa, anatemizando o «branqueamento da história» feito por alguns «historiadores», cujos nomes foram ali referidos pelo responsável pela editora. Em tempos estudei o problema do Tarrafal por causa do que publiquei sobre o Cândido de Oliveira, que ali esteve internado. Dei conta disso neste mesmo blog, como pode ser encontrado -» aqui.
O que me fez alguma espécie foi não ter visto nesta edição ali lançada qualquer alusão à prisão de «mestre Cândido» e à sua passagem pelo Tarrafal. Seguramente que poderá ser por ele não ser comunista e a obra ser, no essencial, dedicada à situação dos comunistas e ao seu papel na denúncia do que ali se passava. Mas o que não posso deixar de referir é o facto de, contendo o livro uma cronologia dos principais eventos ocorridos no Campo, e tendo o fundador de «A Bola» chegado ali em 20 de Junho de 1942, nessa cronologia salta-se de Abril de 1942 para Setembro de 1942 e assim nem a sua entrada prisional merece uma palavra de registo.
Cândido, um casapiano que foi inspector dos CTT, escreveu como se sabe, um livro chamado «Pântano da Morte» que é uma denúncia do que se vivia naquele mortífero lugar. Nélida Freire Brito num recentíssimo livro chamado «Tarrafal na memória dos Prisioneiros» cita-o na bibliografia e várias vezes ao longo do texto o seu testemunho.
Como se sabe a sua deportação para o Tarrafal deve-se à sua colaboração com os serviços secretos ingleses do SOE.
Ainda no tempo em que era vivo o Luís Sá, esclarecido militante comunista, lhe perguntei se na rede de anti-fascistas que colaboraram com Londres para preparar, no quadro do SOE, meios clandestinos destinados a enfrentar uma invasão alemã de Portugal não estariam militantes comunistas. Explicou-me que o problema era complexo. Ontem, ao ter ouvido o que ouvi e folheado compreendi que sim. Gostava que alguém mo explicasse. Talvez o Homero Serpa, que escreveu uma biografia do fundador do jornal de que o filho é director, «o jornal de todos os desportos» tenha conseguido perceber. Eu confesso que não.