A honra da Rússia

Chamava-se Galina e encontrámo-nos, como se clandestinamente, em Zurich, eu trazendo à vista um livro do Graham Greene. Tudo começara numa livraria escondida onde procurei, como pretexto, álbuns sobre São Petersburgo. Procurava-os sim aos russos brancos em Paris, e à sua organização, as ROV, às infiltrações alemãs. Por ela soube que a Marina Grey era a filha do general Anton Denikin. Mais tarde seguiria no encalço dos raptores do general Miller, do mesmo bando que raptara o general Koutiepov, os mesmos que assassinariam "Trotsky". 
Foram tempos em que li às pressas "Le General Meurt à Minuit" na nova Biblioteca Francesa, monumental, em forma de livro, em que hesitei escrever que o ouro do Banco de Espanha foi roubado pela "ajuda" internacionalista e carregada no porto de Cartagena. 
Tempos em que subi a Rue Daru, folheei-os aos álbuns sobre a honra da Rússia, de André Korliakov, vi, boquiaberto no "Nimas" em Lisboa "O Agente Triplo" de Eric Rohmer, sem saber que tinha estudado tudo isso, semanas antes, incluindo o papel ambíguo de Nikolai Skoblin.
Tudo isso para um livro, a biografia de uma extraordinária mulher. O meu melhor livro, acho eu, o menos lido.