O Espião Alemão em Goa: segunda edição

Na editora "Oficina do Livro" proibiram-me que anunciasse antes. Que roesse o nó dos dedos. Já tenho um exemplar impresso há vários dias. Mas o lançamento será no mês de Novembro. Em data a anunciar.  Como daqui a umas horas começa Novembro, sinto-me autorizado. Na noite das bruxas.
Trata-se da segunda edição do livro "O Espião Alemão em Goa". Escrevi-o há dez anos, revi-o, actualizando alguma informação, limando certas ideias. O essencial da narrativa mantém-se. Cito do resumo: «Os factos são reais. No Carnaval de 1943 três navios alemães e um italiano, todos civis, foram incendiados e afundados, pela sua tripulação, no porto de Mormugão, no então Estado Português da Índia. Resistiam assim a um ataque do SOE britânico, o serviço de operações especiais encarregado "da guerra não cavalheiresca". Para proteger os interesses aliados, as autoridades portuguesas condenaram judicialmente os tripulantes, dando como não provado que tivessem resistido a uma tentativa de apresamento, com violação da nossa neutralidade. Ao erro judiciário seguiu-se a propaganda: para os britânicos o fiasco da expedição foi convertido em vitória. Só os portugueses saíram mal da história.
Salazar teve de intervir junto do poder judicial. O silêncio caiu sobre a história. Este livro tenta repor a verdade, para além das conveniências».