von Hoyningen-Huene


Embaixador da Alemanha emm Portugal durante a Guerra, posto para o qual havia sido nomeado em 1934, Oswald Theodor Barão von Hoyningen-Huene (1885-1963) foi um estudioso das coisas portuguesas. 

Nesta revista brasileira [aqui] encontrei uma referência ao seu papel bem como a Hans Friedrich Blunck. Autor do texto A. A. Bispo. Trata-se do artigo Hans Friedrich Blunck (1888-1961) e Oswald Theodor Barão von Hoyningen-Huene (1885-1963) - política da escrita nacionalsocialista nas suas relações com os estudos do mundo de língua portuguesa. Encontro internacional em Lisboa (1935) e homenagem no túmulo de Camões. Da questão de elos luso-nórdicos num pré-descobrimento da América. Revista Brasil-Europa: Correspondência Euro-Brasileira 130/9 (2011:2).

Permito-me citar:

«Os estudos histórico-culturais das relações entre a Alemanha e Portugal nos anos trinta não podem ser desenvolvidos sem a consideração do Barão von Hoyningen-Huene, diplomata que representou a Alemanha em Portugal até 1944. Von Huene gozava já há muito de uma particular proximidade com o centro do poder na Alemanha, pois era, desde 1925, representante do Ministério do Exterior junto ao Presidente Paul von Hindenburg (1847-1934).
Nessa função, tinha o dever de manter-se particularmente bem informado quanto a desenvolvimentos internacionais. Foi nomeado a embaixador da Alemanha em Portugal antes do falecimento de von Hindenburg, fato concretizado por Adolf Hitler, em 1934. Von Hoyningen-Huene criou elos particularmente estreitos de amizade com os principais representantes do Govêrno autoritário português.
No discurso que pronunciou por ocasião da entrega, ao Chefe do Estado Português, da carta que o acreditou como Ministro plenipotenciário alemão junto a Portugal, em 1934, afirmara expressamente o já antigo interesse da Alemanha pelo país e a sua intenção de contribuir ao intercâmbio econômico e cultural entre as duas nações.
"É para mim uma alta distinção poder representar a Alemanha neste país que tem uma existência tão longa e uma história tão gloriosa e que tão importante parte tomou no descobrimento do mundo. O falecido Presidente do Reich, marechal von Hindemburgo, junto de quem tive a honra de trabalhar por mais de seis anos, muitas vezes na minha presença manifestou o seu vivo interesse por este belo país, com cujo Chefe de Estado se sentia ligado em camaradagem de soldado. (...)Será a minha mais nobre missão contribuir para firmar e profundar as relações entre a Alemanha e Portugal. Espero, antes de tudo, conseguir intensificar essas relações no campo económico e cultural. Não esqueço as dificuldades existentes actualmente no campo económico em tôda a parte, mas a confiança mútua entre os nossos dois países e a convicção de que não faltam condições naturais para um activo trabalho económico e comum dão-me a certeza de que, em virtude da boa vontade de ambas as partes, esses esfôrço será coroado de êxito". (O Século, 25 de Outubro de 1934)»

+
Fonte da foto [na qual se reconhecem em primeiro plano António Ferro e além disso o Dr. Roberto Levy (do Secretariado de Propaganda Nacional), e Guilherme Pereira de Carvalho]: aqui